domingo, 8 de fevereiro de 2015

Querem água?


 
Degradação ambiental.
Raízes anciãs sufocadas pelo cimento, mananciais se esvaindo com o verde moribundo, indústrias bebendo toda a água e tossindo seu progresso pelas chaminés...
Desgoverno.
Vazamentos copiosos de água tratada, (ab)uso irracional dos recursos hídricos, falta de investimento em políticas de desenvolvimento sustentável...
Deseducação.
Desperdício. Desperdício. Desperdício.
E um belo dia, apesar dos alertas renitentes, despertamos (?) boquiabertos e nos damos conta (?) de que a água não é infinita. Os principais reservatórios do sudeste do Brasil estão em nível crítico e é preciso economizar.
Logo, os meios de comunicação passam a divulgar iniciativas de cidadãos que buscam usar esse bem de forma consciente, mas (quase) nada se vê por parte de seus maiores consumidores: os setores agrícola e industrial, que bebem cerca de 80% do abastecimento.
A eles, complacência; a nós, ameaças de racionamento e sobretaxa. E enquanto aguardamos por dias piores, tudo se congrega no mantra simplista repetido pelo governo e pela mídia: “Querem água? Rezem para chover!”.
 

Um comentário:

  1. Olá Márcia! Texto muito legal como sempre. Andei meio sem internet. Eu criei um grupo no facebook de literatura fantástica O MUNDO DE LOVECRAFT, KING, POE, ETC. Se vc gostar do tema e quiser entrar será muito bem - vinda! ABRAÇO!!

    ResponderExcluir